Falta de condições de trabalho e saúde do trabalhador foi tema de debate no Sindsaúde



Preocupado com o alto índice de adoecimento dos trabalhador@s em Saúde, o Sindsaúde recebeu – na última sexta-feira (15) – o ciclo de debates do “Fórum Intersindical Saúde, Trabalho e Direito”. O evento teve o intuito de promover atividades de formação, denúncias em relação à saúde dos trabalhador@s na intenção de fortalecer, apoiar e negociar situações reais de conflitos.

Em seu relato, a diretora de Saúde do Trabalhad@r do Sindsaúde, Maria de Fátima Veloso, chamou atenção dos convidados ao mencionar o alto índice de absenteísmo-doença entre os profissionais da enfermagem. “Infelizmente a falta de condição de trabalho está provocando o adoecimento e a morte de vários trabalhador@s. E não vemos nenhuma ação efetiva dos governantes para mudar essa triste realidade”, lamentou.

Além disso, Fátima destacou também a dificuldade de dar prosseguimento nas denúncias de assédio moral/sexual nos órgãos de fiscalização ou na própria Secretaria de Saúde. E isso, segundo ela, se agravou ainda mais com as Organizações Sociais na administração dos hospitais públicos.

Para a presidenta do Sindsaúde, Flaviana Alves, o próprio Estado coloca empecilhos e pouco atua nas unidades de saúde para barrar os casos de assédios moral. “Hoje, com a terceirização da administração dos hospitais, umas das principais atuações do Sindsaúde têm sido na mediação entre os conflitos nas relações de trabalho. Fator que poderia ser evitado se existisse condições adequadas de trabalho e o respeito mútuo entre profissionais e gestores”, reforçou.

 

18/09/2017