Goiânia: servidores municipais da Saúde realizam assembleia nesta quinta-feira



A falta de condições de trabalho, o pagamento (4,08%) da reposição salarial (data-base) que deveria ter ocorrido em 2017 e a dificuldade para conseguir atendimento no Instituto Municipal de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas) têm deixado os servidores municipais da Saúde de Goiânia indignados. Para discutir a situação e tomar providências, os trabalhador@s vão realizar nesta quinta-feira (1º), às 8h30, uma Assembleia Geral no pátio da Câmara Municipal de Goiânia.

Também estará na pauta de reivindicação dos trabalhador@s, o reajuste no valor atual (R$ 7,50) vale-alimentação, o pagamento da data-base referente ao ano de 2018, a inclusão dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE) no Plano de Carreiras, o descongelamento das progressões previstas no Plano de Carreiras, o pagamento da dívida junto à Previdência municipal e a realização de concurso público.

Caos na saúde

Para a presidenta do Sindsaúde/GO, Flaviana Alves, “o prefeito e a atual secretária municipal de Saúde não podem continuar ignorando o caos na Saúde. É preciso melhorar a prestação dos serviços com investimento e valorizar o profissional porque saúde pública de qualidade se faz com competência administrativa”.

Flaviana ainda aponta que além dos direitos negados ao trabalhad@r, os profissionais sofrem com a falta de medicamentos, de insumos, sobrecarga de trabalho, estrutura física degradada e vulnerabilidade na segurança deles e dos usuários. “Esses problemas são graves e comprometem o trabalho do servid@r e a assistência à população”, afirma.

Já o vice-presidente do Sindsaúde, Ricardo Manzi, lembra que a atual secretária municipal de Saúde já está há um ano no cargo e que até o momento não implantou a Mesa Municipal de Negociação Permanente do SUS, fundamental para discutir as demandas dos servidor@s e o aprimoramento dos serviços de saúde.

31/01/2018