Na Segplan, Sindsaúde pede apoio pela criação do vale-alimentação da Saúde



Propondo sugestões que visam reparar o grave prejuízo salarial que os servidor@s da Saúde acumulam por decisões governamentais de cortar direitos, o Sindsaúde se reuniu - na manhã da última quinta-feira (21) – com o secretário de Gestão e Planejamento, Joaquim Mesquita. Na ocasião, o sindicato solicitou o apoio do secretário para que a minuta de projeto de lei que cria o vale-alimentação da Saúde seja aprovada e encaminhada para a Assembleia Legislativa.

Desde o fim da greve no Estado, o Sindsaúde tem apresentado estudos e sugestões para amenizar o prejuízo que os servidor@s acumulam com a redução da produtividade e da insalubridade e com o calote de sete anos sem a correção inflacionária (data-base). E uma dessas sugestões foi a criação do vale-alimentação, apresentada e aprovada em reunião da Mesa de Negociação Permanente.

Depois que a proposta foi formulada e transformada em minuta de projeto de lei pela Secretaria Estadual de Saúde, o projeto foi encaminhado para análise na Casa Civil e, posteriormente, será enviado para análise final da Junta de Programação Orçamentária e Financeira (Jupof), órgão ligado a Segplan.

O projeto prevê o pagamento do vale-alimentação no valor de R$ 600,00 para os 6.500 servido@s da Saúde. Isso dará um impacto financeiro de quase 4 milhões pago com recursos próprios do Fundo Especial de Saúde (FUNESA)

Apoio
A reunião de ontem, que seria com o governador Marconi Perillo, mas foi transferida para Joaquim Mesquita, foi uma das mobilizações que o Sindsaúde realiza com o objetivo de sensibilizar os secretários da importância desse benefício para os trabalhador@s da saúde.

Na reunião com o Sindsaúde, Joaquim Mesquita disse que como o projeto foi criado e enviado pelo próprio secretário de Saúde, ele não vê grandes dificuldades para ser aprovado pelo governo. “Essa análise na Casa Civil e na Jupof são essenciais, inclusive, para fazer os reparos do projeto colocando-o dentro da realidade econômica do Governo”, lembrou.

Segundo a presidenta do Sindsaúde, Flaviana Alves, a proposta da criação do vale-alimentação “não é um atestado de abandono da luta pelo pagamento dos sete anos de data-base e da correção dos valores da produtividade e da insalubridade”. Ela completa dizendo ainda, que para reduzir os prejuízos dos servidor@s, “o Sindsaúde irá reforçar as mobilizações nas pastas de Governo, além de pedir o apoio dos deputados para a aprovação desse projeto”.

Clique aqui e acesse na íntegra o projeto

22/09/2017