Sindicatos apontam divergências na proposta de reestruturação da previdência de Goiânia



Na última quarta-feira (04), foi apresentado o Projeto de Modernização da Previdência dos Servidor@s do Município de Goiânia. A proposta elaborada pela empresa IBFAP propõe diversas alterações na previdência municipal. Na ocasião, as entidades sindicais que compõe o Fórum Sindical do Município de Goiânia, entre elas, o Sindsaúde, se manifestaram contrárias ao projeto apresentado e propuseram a implantação de uma Comissão Especial para discutir e avaliar a proposta.

Entre as alterações previstas estão o aumento da alíquota dos servidores para 14% e do Município para 16%, fusão dos fundos, implantação da previdência complementar, entre outras. O presidente do Instituto de Previdência Social do Município (IPSM), Silvio Fernandes, alega que essas alterações são necessárias para viabilizar o IPSM e eliminar o déficit atuarial.

Os representantes das entidades sindicais se manifestaram contrários à proposta por ela não ter sido discutida previamente no Conselho Municipal de Assistência Previdenciária (CMAP), conforme determina a Lei Municipal nº 9201, de 22 de novembro de 2012 e por estudos anteriores indicarem que o IPSM tem superávit financeiro e atuarial.

O Fórum Sindical entregou ao presidente do IPSM um documento solicitando a suspensão do contrato com a IBFAP e a garantia da implantação da Comissão Especial para discutir e avaliar o relatório que originou a proposta. Os representantes do Fórum definiram ainda que após a Comissão Especial finalizar o estudo, será realizada uma assembleia geral com os servidor@s para apresentar e discutir a proposta de reestruturação.

(Com informações do SINFFISC)

05/04/2018