Sindsaúde participa do 7º Seminário da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde



Com o tema “Saúde em tempos de retrocessos e retirada de direitos”, o Sindsaúde participou – do dia 27 a 29 de outubro - do 7º Seminário da Frente Nacional Contra a Privatização da Saúde. O evento, que aconteceu na cidade de Maceió, teve o intuito de discutir e avaliar os ataques feitos ao SUS nos últimos tempos e as medidas de contenção de gastos na saúde aplicada pelo Governo Federal.

Na avaliação da presidenta do Sindsaúde, Flaviana Alves, o governo ilegítimo de Michel Temer coloca em prática – com a ajuda de deputados e senadores - o maior desmonte de direitos sociais dos últimos 100 anos. “Ao reduzir investimentos e mudar a política de atenção básica, eles estão matando o SUS por sufocamento. Não podemos permitir que destruam o maior sistema de saúde pública do mundo”, protestou.

Em entrevista a revista Carta Capital, o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira dos Santos, disse que o SUS corre o risco de não passar dos seus 30 anos de existência. “O Brasil investe, atualmente, 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB) de dinheiro público na saúde. A atividade econômica do setor, incluídos os gastos privados, varia de 8,5% a 9% do PIB. Com o congelamento de 20 anos dos recursos para financiamento do SUS, o porcentual dos gastos públicos vai cair de 3,8% para menos de 1% do PIB”, avaliou.

Com essa revelação catastrófica, o 7º Seminário da FNCPS serviu como um espaço para a construção de futuras ações em defesa da saúde universal, pública, estatal e de qualidade.

Nesse processo de construção, o Sindsaúde junto com a Frente Goiana Contra a Privatização da Saúde, pretende realizar novas mobilizações em defesa do SUS e dos direitos sociais, além de definir diretrizes para o fortalecimento do SUS.

30/10/2017