Sindsaúde e a reunião do Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e Soberania

 Sindsaúde e a reunião do Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e Soberania

Publicado em 03 de agosto de 2020, às 17h25

As entidades que fazem parte do Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e Soberania estiveram reunidas na manhã desta segunda-feira (03), 9h, de forma virtual em razão dos protocolos de segurança da Covid-19, tendo o isolamento social como forma de evitar o contágio pelo novo vírus.

O Brasil registra a triste marca de quase 100 mil mortos, já nos primeiros dias do mês de agosto pela família do coronavírus no Brasil e em Goiás os números de contaminados e mortos não param de crescer. Diante dos fatos e do descaso permanente do poder público, dos óbitos trágicos que continuam a crescer de forma exponencial, as Centrais Sindicais de Goiás apresentaram algumas bandeiras de luta no sentido de conscientizar a população goiana para as atitudes genocidas por parte do Governo Federal.

O Presidente do Sindsaúde, Ricardo Manzi falou das principais bandeiras de luta desde o início da pandemia da Covid-19. De como tem sido complicado e muitas vezes exaustivo defender os trabalhadores (as) da saúde, diante da ausência permanente de EPI e EPC, de medicamentos, de insumos de toda natureza, da testagem adequada dos profissionais da saúde, da sobrecarga de trabalho dos profissionais nas unidades saúde, da falta de diálogo com gestores. Da falta de segurança e da violência galopante, muitas vezes por parte da população que não compreende que os culpados de toda essa violência está na falta de articulação institucional entre os 3 comandos (federal, estadual e municipal).

É importante lembrarmos que o Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) e o General Eduardo Pazuello, atual Ministro da Saúde, não fizeram os repasses das verbas para a saúde de forma adequada, segundo os dados apresentados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e divulgados por toda imprensa. Do orçamento destinado a pandemia da Covid-19, somente 29% foram repassados aos Estados e Municípios. Manzi revela que a ausência de diálogo por falta dos gestores à frente das Secretarias é também um entrave difícil neste momento onde todos deveriam unir forças para combater o surgimento de novos casos e mais vítimas da Sars-CoV-2.  

“A posição do Sindsaúde-GO é e sempre será em defesa da vida. Desde o início o Sindsaúde é o pioneiro nos boletins diários dos números da covid-19 contaminados (população e profissionais de saúde, óbitos, números de leitos, UTIs, enfermarias) em todas as unidades do Estado. Mesmo quando o Ministério da Saúde deixou de informar, o Sindsaúde pautou a imprensa e a sociedade goiana. A defesa dos trabalhador@s da saúde, das condições mínimas ideais para o desempenho dos protocolos em saúde que refletem na qualidade dos serviços públicos oferecidos aos cidadãos são bandeiras de luta permanentes e o Sindsaúde vai continuar de forma incansável combatendo, até que os profissionais da saúde e a população tenham de fato a saúde como garantia constitucional,” afirma Ricardo Souza Manzi, Presidente do Sindsaúde-GO.

As Centrais Sindicais:

Foram realizados os informes das categorias e uma avaliação da conjuntura socioeconômica e do perigoso momento da organização política brasileira. Da ameaça permanente de nossa democracia e de nossas instituições. Do abismo que está se construindo nas nossas relações internacionais e nacionais, diante da perplexidade nas declarações desrespeitosas de Bolsonaro, quando se refere às vítimas da Covid-19, de direitos humanos, da Amazônia e do meio ambiente como um todo. Essa conduta de descaso e despreparo para lidar com o que é público, democrático e de direito (privatizações em massa, Proposta da Reforma Administrativa) faz ressurgir na sociedade a vontade de renascer na luta pela campanha #Fora Bolsonaro.

As Centrais Sindicais preparam um Ato pelos 100 mil mortos brasileiros da Covid-19, no próximo dia 7 de agosto, como um sinal de respeito às famílias das vítimas e um pedido de atitude urgente por parte do Governo Federal. Se não temos vacinas, se os trabalhador@s da saúde estão cada vez mais adoecidos, se faltam insumos (respiradores, leitos, medicamentos) e com a liberação expressiva do isolamento social, é fato que muito mais cidadãos se tornarão vítimas do terrível coronavírus.   

Sindsaúde-GO

Sempre Juntos: A Saúde Luta e Resiste

Fonte:

Bolsonaro gastou apenas 29% da verba contra a covid-19, afirma TCU

Outras Notícias

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leitor de Página Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud