Nota de repúdio ao assassinato da militante Marielle Franco



O Sindicato dos Trabalhador@s do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde/GO) vem, por meio desta nota, manifestar o seu repúdio ao assassinato brutal da vereadora do PSOL do município do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e do motorista, Anderson Pedro, bem com sua solidariedade aos familiares.

Aos 38 anos, Marielle Franco também era socióloga e se destacava pela militância em defesa dos Direitos Humanos e das Mulheres negras. Denunciava frequentemente a violência policial no Rio e estava à frente da Comissão que investigaria possíveis violações aos Direitos Humanos durante a intervenção militar no estado do Rio. Para expressar seu profundo carinho pela Comunidade da Maré, gostava de ser chamada de “Cria da Favela”.

Vítima de um crime bárbaro, Marielle foi executada no Centro do Rio de Janeiro no último dia 14. Os tiros, ao menos oito, que atingiram o carro onde estava Marielle, simbolizam a tentativa de calar a voz daqueles que clamam por uma sociedade mais justa e igualitária.

Diante do papel político que tinha Marielle, sua execução se configura em um grave e condenável atentado à democracia e nos revela tempos sombrios.  O crime contra a atuação simbólica de Marielle não pode ser apenas mais um número nas estatísticas da impunidade. É necessário unificar nossas vozes na luta pela justa punição aos que ordenaram este crime, bem como os seus executores.

Portanto, o Sindsaúde/GO reitera sua solidariedade aos familiares das vítimas e o seu apoio à luta contra o racismo, a misoginia e a violência policial. Essa luta não termina aqui. Sinônimo de resistência, a companheira Marielle, certamente, continuará presente nas mobilizações país a fora pela construção de um mundo melhor.

 

MARIELLE PRESENTE!

 

Sindsaúde/GO

16/03/2018